segunda-feira, 31 de julho de 2017

Investimentos no segmento de biogás devem atingir R$ 50 bilhões até 2030

O Brasil deve receber investimentos da ordem de R$ 50 bilhões no setor de biogás, gerado a partir de resíduos principalmente dos setores sucroenergético, de alimentos e de saneamento, até 2030. A projeção é da Associação Brasileira de Biogás e Biometano (Abiogás), com base na proposta brasileira no âmbito da Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP 21), que determina a redução das emissões de gases do efeito estufa em 37% até 2025 e 43% até 2030, em relação ao contabilizado em 2005.

O potencial de investimentos estimado pela instituição considera uma produção de biogás, no período, de 32 milhões de metros cúbicos diários, volume um pouco maior que a capacidade de importação de gás natural da Bolívia pelo Brasil, por meio do gasoduto Bolívia-Brasil (Gasbol).
Segundo o vice-presidente da Abiogás, Gabriel Kropsch, o volume de biometano, no período, pode substituir até 40% do consumo de diesel para transporte no país. “A grande oportunidade é a substituição de óleo no transporte pesado de carga e passageiros. Muita gente tem a concepção errada do biometano, de que seria concorrente do gás natural. Na verdade, é um grande complemento do gás natural, atendendo regiões onde os gasodutos não chegam”, disse.
O executivo elogia a nova versão do Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE), com horizonte até 2026, que contemplou o setor de biogás. De acordo com o documento, colocado em consulta pública na semana passada, o governo prevê capacidade instalada total de 300 megawatts (MW) de termelétricas a biogás no fim do período analisado.
Kropsch conta que, recentemente, a Abiogás e a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) firmaram acordo para mapear o potencial da oferta de biogás por região e a localização das redes de energia elétrica e de gasodutos.
Do ponto de vista regulatório, o executivo destacou a recente resolução publicada pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) que determina a especificação do biometano a partir de resíduos urbanos. Até então, havia apenas uma resolução regulamentando a produção do biometano de origem agrícola, publicada há dois anos.
“Esse era o ponto que faltava realmente no arcabouço legal do mercado de biogás e biometano, para que todos os projetos que estão no pipeline possam realmente deslanchar”, disse Kropsch. “Vemos com muito bons olhos [a nova resolução], porque vai destravar projetos que estavam esperando essa publicação.”

Fonte: Valor Econômico

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Mais três estabelecimentos comerciais de Curitiba migram para o gás natural

Panificadora Delicci, Crossroads Bar e o 5º Batalhão de Suprimentos são os novos consumidores do combustível canalizado
Nas últimas semanas, o segmento comercial conquistou três novos clientes. A Panficadora Delicci, instalada no Bigorrilho, utilizará o combustível para a cocção dos alimentos. O Crossroads Bar, localizado no Água Verde, iniciará o consumo em um prazo de até 150 dias, para uso em fogões e aquecedores do local. No 5º Batalhão de Suprimentos, o quartel localizado na Avenida Silva Jardim, o gás natural também será utilizado para a cocção e o fornecimento também deve iniciar em um período de até 5 meses.

Os novos clientes do setor contarão com todas as vantagens que o gás natural oferece, como a segurança e economia com praticidade. Com o fornecimento contínuo, não há acúmulo de combustível nem a necessidade do reabastecimento periódico. Além disso, a chama limpa não deixa resíduos nos equipamentos, o que diminui as despesas com manutenção. O pagamento após o consumo e o serviço de débito automático nos bancos Itaú, Bradesco, Banco do Brasil, Caixa Econômica e Santander também configuram vantagens para os clientes.
Juntos, os novos consumidores têm um volume contratado de mais de 2 mil m³/mês de gás natural. Atualmente, a Compagas fornece aos cerca de 460 clientes do segmento comercial um total mensal de 500 mil m³ do combustível. Entre os consumidores estão bares, restaurantes, hotéis, hospitais, shoppings, academias, clubes, lavanderias, etc. Para saber mais sobre o segmento comercial, acesse: http://compagas.com.br/index.php/comercial

Fonte: Compagas / Comunicação

terça-feira, 4 de julho de 2017

ANP publica dados consolidados do setor de petróleo, gás natural e biocombustíveis em 2016

A ANP publicou ontem (3/7), em seu sítio eletrônico, dados estatísticos consolidados da evolução do setor de petróleo, gás natural e biocombustíveis no Brasil em 2016. Os gráficos e tabelas, que serão publicados posteriormente no Anuário Estatístico Brasileiro do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis 2017, podem ser consultados em:
De acordo com os dados, a produção nacional de petróleo cresceu 3,2% pelo terceiro ano consecutivo e atingiu 2,5 milhões de barris/dia. O principal motivo da elevação foi a oferta de petróleo do pré-sal, que alcançou a média de 1,0 milhão de barris/dia no ano, após variação anual de 33,1%. A produção nacional de gás natural teve acréscimo de 7,9%, alcançando 103,8 milhões de m³/dia.
A produção de gás natural do pré-sal segue aumentando sua participação no total nacional e correspondeu a 38,2% em 2016. Os resultados obtidos no pré-sal reforçam a atratividade dos blocos deste horizonte geológico a serem ofertados nas próximas rodadas de licitação, com calendário aprovado pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) para os próximos três anos.
Como reflexo da maior produção nacional, em 2016 o Brasil reduziu sua necessidade de importação de petróleo em 44,9%, para média de 178,6 mil barris/dia, enquanto as exportações alcançaram o maior valor da série histórica, 798,2 mil barris/dia, aumento anual de 8,3%.

No mercado interno, as vendas de derivados pelas distribuidoras registraram declínio de 2,5%. As vendas de óleo diesel apresentaram queda de 5,1%, contrastando com a elevação de 4,6% das vendas de gasolina C. Já a comercialização de etanol hidratado teve redução de 18,1%.
Por sua vez, a produção nacional de derivados foi 6,3% inferior a 2015, e atingiu 2,0 milhões de barris/dia. Com isso, o volume de importações de derivados cresceu 10,1%, para 488,1 mil barris/dia. Apesar disso, em função da redução dos preços internacionais, houve um recuo do dispêndio com a importação em 15,2%.
O crescimento das importações refletiu uma maior diversificação dos agentes responsáveis pela oferta interna de combustíveis, o que, por sua vez, tende a contribuir com a ampliação das oportunidades de investimentos em infraestrutura de armazenamento e movimentação de petróleo, derivados e biocombustíveis.
No setor de biocombustíveis, a produção total de etanol caiu 4,1% e a produção de biodiesel foi 3,5% inferior ao ano anterior, em decorrência da redução do consumo dos combustíveis.
O montante gerado de participações governamentais atingiu R$ 17,7 bilhões em 2016, sendo R$ 11,8 bilhões em royalties e R$ 5,9 bilhões em participação especial. Já o volume de obrigações relativas aos investimentos em pesquisa, desenvolvimento e inovação (P,D &I) foi de R$ 862 milhões.

Fonte: ANP

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Gelo ardendo – China afirma ter conseguido extrair gás do ‘gelo de fogo’

Enquanto a China está celebrando ter sucedido em extrair gás natural do hidrato de metano (o chamado “gelo de fogo”), não está claro se Pequim terá conseguido um avanço tecnológico significativo na indústria de energia.
Mais cedo, a China anunciou com orgulho ter conseguido extrair pela primeira vez gás natural das jazidas de hidrato de metano, também conhecido como gelo combustível, localizadas no mar do Sul da China perto do delta do rio Zhujiang, tendo o volume do gás extraído superado todas as expetativas.
No entanto, muitos analistas respeitados de todo o mundo acham que ainda é cedo para celebrar um sucesso.
Igor Yushkov, analista principal do Fundo Nacional de Segurança de Energia, disse à Sputnik China que se pode comparar o alcance da China com as novas tecnologias desenvolvidas nos EUA que fizeram com que a extração de gás de xisto se tornasse viável.
“A China anuncia triunfante o início da extração de gás do ‘gelo de fogo’, silenciando ao mesmo tempo o fato do processo ser bastante caro. Isso causa mais perguntas, porque o custo das matérias-primas extraídas é o que mais importa. É o preço e nada mais, o que vai definir o sucesso comercial da tecnologia chinesa e do processo de extração do ‘gelo de fogo’ em geral”, disse o especialista, acrescentando que o Japão começou extraindo gás natural do hidrato de metano ainda em 2013, mas decidiu suspender o projeto devido ao elevado custo da nova tecnologia.

De acordo com o analista, a China sabe disso, mas há duas razões porque Pequim optou por simular uma implementação bem-sucedida do novo projeto.
“Parece que quanto mais se aproxima o 19º Congresso Nacional do Partido Comunista da China, que prevê mudanças parciais na liderança do país, mais notícias boas aparecem na mídia chinesa […] As autoridades chinesas procuram persuadir os cidadãos que tudo está ótimo no país, ou seja, os líderes do Estado estão fazendo bem seu trabalho”, disse.
A outra razão é puramente econômica, pois informações sobre o “avanço histórico” da China na extração de gás natural a partir do hidrato de metano chegaram “na hora certa”.
“Estas notícias têm por objetivo velado influenciar os preços dos fornecedores de gás natural estrangeiros, inclusive da Gazprom russa, que no momento está negociando novas remessas com a China. O aspecto de preço é muito importante para a China, porque o volume de gás natural importado pelo país é maior a cada ano. Assim, o discurso impressionante e a falta da informação mais importante nas notícias sobre extração de gás do hidrato de metano fazem acreditar que a suposta revolução na aérea de energia seja sobretudo um projeto mediático das agências estatais chinesas”, concluiu Igor Yushkov.
O hidrato de metano são cristais sólidos parecidos com gelo, formados de água misturada com metano com pressão e condições específicas, em geral por baixo de centenas de metros de água. De acordo com a Administração de Informação Energética dos EUA, as reservas mundiais de hidrato são de 280 trilhões a 2.800 trilhões de metros cúbicos, isto é, mais energia do que contêm o carvão, óleo e gás natural em conjunto. Com os atuais ritmos de consumo de gás, as reservas de hidrato de metano poderiam satisfazer a demanda de gás durante 80-800 anos.

Fonte: Sputinik Brasil

segunda-feira, 26 de junho de 2017

ANP divulga livreto “Oportunidades no Setor de Petróleo e Gás Natural no Brasil”

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis publicou no último dia 22 o livreto “Oportunidades no Setor de Petróleo e Gás Natural no Brasil – Rodadas de Licitações 2017-2019″, em Português e Inglês. O livreto está disponível na área de publicações  do site ANP.

A publicação apresenta as áreas que serão oferecidas na 14ª, 15ª e 16ª Rodadas de Licitações de áreas para exploração e produção, no regime de concessão, e também as da 2ª, 3ª, 4ª e 5ª Rodadas do Pré-Sal, no regime de partilha da produção. Informa ainda os aprimoramentos na política energética nacional, como as alterações no conteúdo local e a simplificação das regras no regime de concessões com a adoção de uma fase única de exploração, royalties distintos para áreas de novas fronteiras e bacias maduras de maior risco, redução do patrimônio líquido para não operadores e incentivos para aumentar a participação dos fundos de investimento.

Fonte: ANP

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Fórum de Biogás e Biometano confirma cenário de oportunidades no Sul do Brasil

O 1º Fórum Estadual de Biogás e Biometano, realizado em Caxias do Sul (RS), chegou ao fim na quarta-feira, 14 de junho, e seus organizados encerraram os trabalhos com o sentimento de missão cumprida nos objetivos a que o evento se propôs. Após três palestras, cinco mesas-redondas, quatro cases e a apresentação de uma futura chamada pública de compra de biometano, pela Sulgás, o Fórum possibilitou excelentes trocas de experiências e conhecimentos em um cenário de novas oportunidades para a cadeia de biogás e biometano no Rio Grande do Sul e no Brasil aos mais de 300 participantes.]
Como última atividade do evento, às 16h, um debate final reuniu realizadores, patrocinadores, apoiadores e o público, o que permitiu a apresentação de 26 proposições que serão analisadas pela coordenação do Fórum. Para Clovis Leopoldo Reichert, um dos coordenadores do evento e gerente de Operações do Instituto SENAI de Tecnologia em Petróleo, Gás e Energia, o Fórum teve a função de ser multiplicador de aprendizados e de contribuições. “Sem dúvida, tudo o que foi posto nesse evento alavancará o setor e gerará ações concretas para um futuro melhor com cada vez mais energias renováveis na vida das pessoas, gerando renda e, consequentemente, preservando o meio ambiente”, concluiu.

O sucesso do 1º Fórum Estadual de Biogás e Biometano pode ser comprovado com a confirmação de uma segunda edição, em junho de 2018, cuja data ainda será definida, porém, ainda mais abrangente, pois envolverá além do Rio Grande do Sul, os estados de Santa Catarina, Paraná e Mato Grosso do Sul. O 2º Fórum será realizado na cidade de Foz do Iguaçu (PR).
O evento, que aconteceu na Universdiade de Caxias do Sul nos dias 13 e 14 de junho, foi uma realização do Arranjo Produtivo Local Metalmecânico e Automotivo da Serra Gaúcha (APLMMeA), da Universidade de Caxias do Sul (UCS), do Instituto SENAI de Tecnologia em Petróleo, Gás e Energia e da Itaipu Binacional.
Fonte: Assessoria de Imprensa do Fórum

terça-feira, 13 de junho de 2017

Abiogás projeta expansão do biometano

Os produtores de biometano (biogás purificado) estão na expectativa de que, muito em breve, uma nova resolução da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) possa contribuir para ampliar as oportunidades dentro do setor. Conforme a Associação Brasileira de Biogás e Biometano (Abiogás), a perspectiva é de que ainda neste ano seja estipulada a regulamentação do biometano oriundo dos resíduos sólidos urbano, o chamado gás de aterros sanitários e de estações de tratamento de efluentes (esgoto).
O conselheiro da entidade Maurício Cótica recorda que há dois anos não havia sequer uma regulamentação que reconhecesse o biometano como combustível no Brasil. Essa condição mudou com a resolução número 8 da ANP, publicada no início de 2015, que normatizou a questão relativa a esse biocombustível gerado a partir de rejeitos agrossilvopastoris.
Cótica enfatiza que, além do potencial de produção de um combustível renovável, a atividade propicia uma destinação correta a materiais que podem ser considerados como passivos ambientais. É possível utilizar na produção de biogás resíduos como dejetos de suínos, de gado, cascas de laranja, entre outros.

Enquanto o biogás pode ser utilizado para a geração de energia elétrica ou térmica, o biometano é indicado para o uso veicular, já que é preciso um grau de pureza maior para essa finalidade. O segmento está em evidência atualmente no Rio Grande do Sul. Hoje, a partir das 9h, será aberto o 1º Fórum Estadual de Biogás e Biometano no UCS Teatro, na Universidade de Caxias do Sul. O evento será encerrado amanhã, às 16h30min. Cótica ressalta que o encontro promoverá uma discussão com diferentes empreendedores, trazendo também a participação do lado acadêmico. Um dos tópicos que será abordado é realização da chamada pública para aquisição de biometano por parte da Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul (Sulgás).
O presidente da estatal, Claudemir Bragagnolo, diz que a chamada pública deverá ser publicada ainda neste ano, entretanto prefere não estipular uma data específica. A medida, antes de ser concretizada, ainda precisa ser submetida à análise da Procuradoria-Geral do Estado do Rio Grande do Sul (PGE-RS). Mas, o executivo revela que o volume de biometano que será contratado pela distribuidora nessa fase inicial será de 100 mil metros cúbicos diários. Anteriormente, o plano da empresa era contratar 200 mil metros cúbicos diários.
O conselheiro da Abiogás pondera que 100 mil metros cúbicos por dia, para um movimento inaugural, pode ser considerado como um número positivo. “O primeiro passo é romper a inércia e apresentar para o mercado uma formatação de contrato de longo prazo, com regras estabelecidas”, reforça Cótica. Hoje, o gasoduto Bolívia-Brasil (Gasbol), que abastece o Estado, chega ao Rio Grande do Sul com uma capacidade de 2,8 milhões de metros cúbicos de gás natural diários.
Para poder distribuir o biometano que será adquirido, a Sulgás instalará redes menores de gasodutos próximas às unidades produtoras e aproveitará o transporte de Gás Natural Comprimido (GNC), para curtas distâncias. Bragagnolo faz a ressalva de que, especialmente no começo, o preço do biogás será mais elevado do que o do gás natural de origem fóssil. Porém, a expectativa é de que com o aumento da escala de produção os custos caiam, algo semelhante ao que ocorreu com a energia eólica, por exemplo. O presidente da Sulgás recorda que o Rio Grande do Sul é pioneiro na área de biogás purificado desde a implantação da planta-piloto de biometano no município de Montenegro do Consórcio Verde-Brasil (formado pelas empresas Ecocitrus e Naturovos). A operação da unidade foi iniciada em 2012.

Fonte: Jornal do Comércio (RS)